Foto: Filipe Berndt

Rebeca Carapiá é uma das artistas participantes da mostra 31º programa de exposições do Centro Cultural São Paulo, que fica em cartaz até 27 de fevereiro de 2022.

A artista apresenta a instalação Topografias da Maré Soterrada, um conjunto de 15 esculturas em ferro e três telas. “Este trabalho marca o início da pesquisa Um barco feito para afundar, que propõe um olhar em perspectiva para o território da Península de Itapagipe, região da Cidade Baixa de Salvador, na Bahia”, comenta Rebeca.

Foto Filipe Berndt

Itapagipe é uma bacia da enseada de Tainheiros onde foi constituído o primeiro Polo Industrial de Salvador, transformando-se em seguida em um aterro sanitário, onde as pessoas – em sua maioria migrantes do Recôncavo Baiano – viviam e ainda vivem em condições insalubres nas construções conhecidas como Palafitas. Somente na década de 1950, após muitas mortes por intoxicação, a região iniciou o seu aterramento por pressão popular. Diante do crime ambiental e estrutural, seu bioma e suas histórias se afogam. No fundo desse terreno violado pelo estado e pela industrialização se reflete um cotidiano de tensões sobretudo entre seus moradores e os alagamentos que acontecem a qualquer chuva.

Foto Filipe Berndt

“Ao mergulhar no território em que nasci e cresci, tenho procurado escutar a maré e o terreno para criar, através do encontro entre corpo, memória, ancestralidade e materialidades, topografias, superfícies e rachaduras, onde o ferro retorcido e o cobre das telas contam histórias e espelham o Racismo Ambiental sofrido por territórios vulneráveis que constituem as periferias – em seu nível material e sensível”, dia a artista.

Serviço

31º programa de exposições do Centro Cultural São Paulo

Datas: 6/11/2021 a 27/02/2022 / Terça a sexta, das 10h às 20h / sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h.

Local: Rua Vergueiro 1000, São Paulo, Brasil