Galeria Leme

English Instagram
+ Exposições

Exercícios Superficiais para Galeria José Carlos Martinat

16.11.10 _ 23.12.10

Extracto de Campaña Politica 4, 2010

A Galeria Leme tem prazer em apresentar a exposição de novos trabalhos do artista peruano José Carlos Martinat.

Em seu trabalho, Martinat explora e discute, através de diversas técnicas, questões políticas, econômicas e sociais. Geralmente suas obras estão profundamente ligadas aos seus contextos. Para a última edição da Bienal do Mercosul (Brasil), o artista apresentou Monumentos Vandalizables: Abstracciones de Poder 1 e 2, duas grandes instalações. Na primeira, Martinat fundiu os principais edifícios de Poder de Brasília e na segunda, os prédios dos patrocinadores da Bienal do Mercosul. Em ambas as instalações, ele disponibilizou material de grafite para que os espectadores pudessem expressar suas ideias nas superfícies inicialmente brancas das instalações.

Para sua primeira individual na Galeria Leme, Martinat desenvolveu uma série de novos trabalhos utilizando uma técnica que permite extrair a camada de tinta de uma parede. Para uma das instalações, o artista retira letras de propagandas escritas em muros e compõe novas sentenças, que questionam essas propagandas.

A mesma técnica é usada para obras focadas em uma discussão mais escultórica. Martinat retira a primeira camada da fachada do Project Room da Galeria Leme e a coloca dentro da galeria, como uma grande escultura. Ele também explora as possibilidades dessa nova técnica, enrolando, dobrando e pendurando camadas menores retiradas das ruas e das paredes do Project Room, criando assim, diferentes esculturas.

José Carlos Martinat nasceu no Peru em 1974. Já expôs em diversas mostras  individuais e coletivas, dentre elas: Noord-Holland Biënnale (2010),  Mali insitu Peru (2010); 7ª Bienal do Mercosul, Brasil (2009); 2ª Trienal Poli/Gráfica de San Juan: América Latina y el Caribe, Porto Rico (2009); MARCO Museo de Arte Contemporáneo de Vigo, Espanha (2007). Suas obras estão em diversas coleçoes privadas e públicas como Mali (Peru) e Tate (Inglaterra).