Galeria Leme

English Instagram
+ Exposições

Desenho Ocupado Coletiva

17.11.09 _ 19.12.09

Artistas: Ana Pinheiro, Carla Chaim, Carlos Nunes, Henrique de França, Malu Saddi, Márcia de Moraes, Reginaldo Pereira
Crayon Preto, 2009

A Galeria Leme apresenta a mostra coletiva “Desenho Ocupado“. A exposição é um projeto em conjunto com o Atelier Fidalga – grupo de estudos de artistas que, sob orientação de Albano Afonso e Sandra Cinto, se reúne semanalmente para pesquisar e produzir arte contemporânea.

Os artistas procuraram apresentar obras que dialogassem com o espaço proposto, estabelecendo uma ocupação em termos arquitetônicos como também a memorabilia do local.

Com uma visão ampliada da linguagem do desenho, os sete artistas selecionados para a mostra trabalham com diferentes mídias e suportes.

Ana Pinheiro e Henrique de França resgatam objetos e técnicas para realizar suas obras. Pinheiro busca em sebos, livros antigos sobre os quais faz interferências com crochê, desenhos e aquarela; Henrique de França apresenta, dentre outras obras, um site specific usando uma das caixas de transporte armazenada no local; após uma pesquisa sobre a história do galpão da Galeria Leme, o artista faz um desenho de uma antiga serralheria, função original do espaço.

As obras de Carla Chaim e Carlos Nunes são marcadas e muitas vezes determinadas por seus processos. Carla Chaim registra com o desenho a sombra projetada por uma árvore do galpão. Nunes esgota os materiais e suas possibilidades, como na obra “Crayon Preto” na qual o artista usa até o fim um crayon preto em papéis de diferentes tamanhos, obtendo diferentes gradações do preto e do cinza.

Tanto os trabalhos de Marcia de Moraes quanto os de Malu Saddi impressionam pelo preciosismo. Ambas trabalham em grandes formatos minuciosamente preenchidos com formas abstratas.

Reginaldo Pereira explora, através do desenho, as possibilidades de composição utilizando objetos carregados de significados como pranchetas, mapas, campos de futebol.

Nesta mostra, os artistas buscaram trazer a intimidade de um atelier e exibir obras que extrapolam os limites do gênero e mostram que desenho vai além do lápis sobre papel.